30 agosto 2010

10 Motivos Para Recusar Sacolinhas Plásticas

O Planeta Sustentável publicou a seguinte matéria em seu site:

No Ano Internacional da Biodiversidade e com a COP10 – Convenção de Diversidade Biológica prestes a acontecer, no Japão, em outubro, o tema se tornou o centro das atenções do mundo. Muito merecido, afinal, a biodiversidade envolve todos os seres vivos que habitam o nosso planeta – incluindo os seres humanos – e, num sistema interdependente como o nosso, o desaparecimento de uma espécie afeta a vida das demais.

Entre as várias atitudes que podemos tomar para preservar essa riqueza biológica da qual tanto dependemos, está a redução do uso de sacolas plásticas em nosso dia-a-dia.

Eis aqui dez motivos para você defender essa causa.

1. Os plásticos convencionais levam cerca de 400 anos para se decompor. Segundo um levantamento do Ministério do Meio Ambiente, de 2009, cada família brasileira descarta cerca de 40kg de plásticos por ano e mais de 80% dos plásticos são utilizados apenas 1 vez.

2. Por serem leves, os sacos plásticos voam com o vento para diversos locais e acabam poluindo não apenas as cidades, mas também nossos biomas, as florestas, rios, lagos e oceanos.

3. A sopa de lixo que flutua pelo oceano Pacífico contém mais de 100 milhões de toneladas, sendo que 90% são constituídos de detritos de plástico. Desse total, 80% vêm do continente.

4. Nos oceanos, as sacolas plásticas se arrebentam em pedaços menores e se tornam parte da cadeia alimentar de animais marinhos dos mais variados tamanhos. Ao ingerirmos esses animais, engolimos também resíduos de plástico que fazem mal à nossa saúde.

5. A ingestão de pedaços de sacolas plásticas já é uma das principais causas da mortes de tartarugas, que confundem o plástico com comida e têm seu aparelho digestivo obstruído. Estima-se, ainda, que em torno de 100 mil mamíferos e pássaros morram sufocados por ano por ingerirem sacos plásticos. Na Índia, cerca de 100 vacas morrem por dia por comerem sacolas plásticas misturadas a restos de alimentos.

6. Nas cidades, as sacolas descartadas de maneira incorreta entopem bueiros, provocando enchentes, que causam a morte de pessoas e animais domésticos, destroem plantas e árvores e até contribuem para que os peixes nadem para fora do leito de rios e morram.

7. Jogadas em um canto qualquer da cidade, as sacolinhas podem acumular água parada e permitir a proliferação do mosquito da dengue.

8. O plástico já é o segundo material mais comum no lixo municipal.Quando os aterros chegam à sua capacidade máxima, é preciso abrir outras áreas – que poderiam ser utilizadas para plantio de vegetação nativa, por exemplo - para o depósito de resíduos.

9. O material orgânico depositado em sacos plásticos demora mais para ser degradado e decomposto em nutrientes e minerais, que serão utilizados em outros processos biológicos.

10. Com a decomposição lenta dos resíduos orgânicos aprisionados nas sacolas plásticas, produz-se mais metano e CO2, que são liberados quando a sacola é rasgada e contribuem para a aceleração do aquecimento global.

Especialistas consultados:Prof. José Sabino, doutor em Ecologia pela Unicamp.
Fernanda Daltro, coord. técnica da Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental, do Ministério do Meio Ambiente.

3 comentários:

Rogério Leite disse...

LG, a única coisa que não me dizem é como nas cidades modernas podemos resolver o problema de acondicionamento do lixo doméstico. Grande parte destes sacos vai parar em lixões e dali, contaminam o meio ambiente. OK. Eu deixo de usar, mas como me livro dos meus resíduos domésticos? Ninguém diz. Aqui em casa, usamos as sacolas retornáveis, e reutilizamos cada saco plástico que entra. Mas mesmo assim, não conseguimos deixar de usar os sacos de lixo. Não dá para montar soluções de compostagem em prédios urbanos, não dá para enterrar o lixo em algum local! O que se pode fazer com ele nas grandes cidades?

Lady Guedes disse...

Esse realmente é um problemão, Rogério. Mas acredito que em breve teremos alternativas para o descarte do lixo doméstico fora as famigeradas sacolas plásticas. Conto com a boa vontade dos pesquisadores e ecologistas de plantão para pensarem "verde" e tentarem achar uma solução para esse dilema.
Enquanto isso não vem, vamos recusando o quanto podemos e reutilizando sempre.
:)

Lili Chiurco disse...

Olá Fernanda, as sacolinhas plásticas são mesmo um grande problema. Mas a diminuição delas já ajuda um pouco (por enquanto), né. Em São Paulo ainda há alguns probleminhas para o não uso, mas no Rio e Guarulhos já existe a Lei das Sacolas Plásticas que proíbe o uso para instituições maiores como supermercados e farmácias. Estive no Rio há pouco tempo e os pontos comercias têm algumas alternativas para o consumidor como descontos, oferecer sacolas retornáveis, ou oferecer um produto a cada número estipulado de sacolas plásticas que o consumidor trouxer. O legal disso tudo é que são iniciativas grandes, que forçam o consumidor a se "reeducar" em relação ao uso das sacolinhas.
Ótima segunda!
Beijos Lili