11 outubro 2010

Filho de Peixe...

...nem sempre peixinho é. Meu filho, por exemplo, tem que ser convencido a sair de casa para pedalar. Apesar de toda a empolgação com a bicicleta nova que ele ganhou de Dia das Crianças, tive de praticamente forçá-lo a me acompanhar numa voltinha pela ciclovia da Sumaré, ontem pela manhã.
Na verdade, minha intenção era pedalar na ciclofaixa ou no Parque Villa Lobos, onde ele teria melhores condições e mais espaço para se adaptar à nova bicicleta, mas não consegui nenhum taxi Dobló para levar-nos (e mais as duas bikes) a qualquer um desses locais. Os poucos carros disponíveis estavam rumando para o local onde está acontecendo o SWU, e como meu filho ainda não tem experiência e preparo físico para ir e voltar pedalando, tive que me conformar em levá-lo para uma voltinha na (péssima) ciclovia da Av. Sumaré.
Quando estávamos a caminho, cruzamos com o grupo do Olavo Bikers que voltava do passeio de domingo. Morri de inveja ao ver vários de meus meus amigos passarem por mim, acenando, felizes, pedalando em direção à padaria e eu ali, indo dar só uma voltinha de nada na ciclovia... snif, snif.
Mas, pensando bem, eu também estava em muito boa companhia e minha disposição era fazer aquela volta na ciclovia render bons momentos. Bem isso era o que o meu otimismo imaginava, mas não foi exatamente o que aconteceu. E o pior é que, conhecendo meu filho como conheço, eu já devia ter previsto que o passeio não acabaria bem, que ele ficaria irritado com sua inabilidade em domar a Imperador Vader (a nova bike) e acabaria de bico, mal humorado e querendo voltar para casa. É muito engraçado ver como ele fica nervoso e culpa a bicicleta, o chão, as árvores, o cachorro...como é cabeça-dura esse menino! Ele despreza solenemente todas as minhas dicas, faz do jeito dele, se dá mal e depois ainda sai de cara feia pra mim e para a bicicleta. Que temperamento irascível! Não sei de quem ele herdou isso, hehehe.
Bem demos a nossa voltinha (e eu filmei tudo, o que o deixou ainda mais nervoso, mas mãe é mãe...) e quando ele já estava bem "p" da vida, resolvi voltar para casa. Eu precisava ir ao supermercado comprar algumas coisinhas para receber minha querida amiga (e artista plástica talentosíssima) Vanina Prajs, que é de Buenos Aires, está em São Paulo por alguns dias e viria me visitar mais tarde. Eu queria ir ao supermercado de bicicleta, mas meu filho nem cogitou me acompanhar com a dele, então mandei que subisse na minha garupa e lá fomos nós. Ou seja, eu, a LadyBike e um bezerrão de 1,52 cm de altura e incontáveis quilos subindo a ladeira da Cristiano Viana. Quando atingi a parte plana da rua, meus músculos estavam à beira de um colapso e meu bumbum ardia como se eu tivesse sido chicoteada. Mas, como todo desafio, foi uma delícia vencer a ladeira novamente, desta vez com um peso extra.
Depois de fazermos as compras, já com o bom humor restabelecido, Gui e eu descemos a rua alegremente. Eu ficava "ameaçando" soltar de vez o freio e ele gritava num misto de medo e emoção. Tudo jogo de cena, mas muito divertido.
Me lembrei de quando eu era criança e de como adorava subir na garupa dos amigos e pegar uma carona de pé, sentindo o vento no rosto e pedindo para ir mais e mais rápido. Pena que Brasília, a cidade onde passei minha infância, é plana demais para proporcionar um bom frio na barriga, mas que eu me divertia, ah, isso é inegável!
Beijokas da Fernanda.
Sábado de manhã, ao receber a Imperador Vader, o garoto era só alegria.
Dando uma voltinha na área externa do prédio, só pra testar, Alegria, alegria...
Algumas pedaladas depois... já se vê o efeito da serotonina, hehehe.

Adoro esse "cantinho" que fica embaixo da estação Sumaré do Metrô.
Voltando do supermercado, bom humor já restabelecido.

3 comentários:

Carmen Martins disse...

Querida Fernanda! lembra-se de mim? Nós nos encontramos no lançamento no LG New Chocolate! Tudo bem com você? Recebi teu email sobre o TopBlogs e vim te fazer uma visitinha. Claro que já estou te seguindo...o filhão é lindo, hein? Passa lá pra falar comigo qqr horinha dessas. bjs

Carmen Martins

Ghirardello disse...

Oi Fernanda! Realmente a ciclovia da Sumaré virou pista de cooper, e está bem ruim. Mas o importante nessa via é não andar na faixa de motos, pois é muito arriscado! Ando na região de bike e de moto, e pelo fato da motofaixa ser estreita, muitas vezes ocorrem pequenos acidentes. O motociclista nem sempre consegue visualizar os bikers, ainda mais se andarem sem refletores e luzes.
Mas tbm as motos precisam maneirar na velocidade, com certeza!
Abraços!

Lady Guedes disse...

Oi, Carmem!
Claro que me lembro de vc! E do jantar. E do seu blog!
Obrigada pela visitinha.
Bjks
Fernanda

Ghirardello,
A ciclovia da Sumaré está um horror, isso é fato. Mas nem por isso eu dou uma de louca e ando na faixa dos motociclistas. Aliás vejo isso acontecer e sempre tenho vontade de dar um puxão de orelhas nos ciclistas que se metem por lá. São muitos, todos os dias, se arriscando de bobeira...
Obrigada pelo comentário!
Fernanda