10 fevereiro 2011

Segunda, Terça & Quarta.

Já contei para vocês que peguei uma promoção (dessas da internet) e agora estou indo duas vezes por semana numa clínica de estética para tratar os excessos reunidos nas nádegas e culotes? Pois então, esse tratamento, que se diz inovador, é feito por um poderoso aparelho de ultrassom chamado Manthus.
Vou tentar descrever a sensação: sabe aquela piada pronta do faquir deitado na cama de pregos? Pois bem, imagine levar uma surra daquela cama. Ou melhor (essa as meninas mais antiguinhas como eu vão entender): lembram-se daquelas escovas de cabelo feitas com alfinetes que foram moda um tempinho atrás? Então, parece que estão me batendo com uma escova daquelas no seu bumbum. Mas espere, não é só isso: há também uma sensação de que essa escova de alfinetes está sugando as suas carnes. Delícia, né? Não, não é tão ruim assim. Eu até gosto. Acho que adoro apanhar de prego, gente! É tão relaxante... O tratamento é complementado por uma relaxante drenagem linfática. A-do-ro mas-sa-gem! Aliás, quem não gosta, né?
Pois bem, tudo isso foi apenas uma introdução ao meu post de hoje, que vai narrar minhas peripécias de segunda até ontem, quarta-feira.
Segunda, 7 de fevereiro:
Acordei cedo para correr na esteira: foram 6 km de treino e mais 2 km tentando calibrar o sensor do Nike+. Trabalhei. Almocei. Trabalhei mais um pouco. Lá pelas 16h30, peguei a bike para ir até a Rua Estados Unidos colocar o bumbum no microondas. Tinha chovido um pouco antes de sair e a rua estava fresquinha, uma delícia para pedalar sem pressa. Depois de relaxar nas mãos da simpática Letícia da Clínica Valian, fiquei na dúvida: ia pedalar com o pessoal do GoBiking! ou ia ao cinema assistir "Cisne Negro"? Para pensar melhor (e fazer uma horinha) fui para o Parque do Ibirapuera e fiquei rodando um pouco por lá, pedalando devagarinho, vendo aquele montão de gente correndo, caminhando. Fiquei feliz assim, de repente, só de pensar que sou privilegiada por ter um horário flexível, que me permite estar num parque lindo às 18h, quando muitos estão saindo de seus escritórios com um trânsito infernal pela frente. Sentei num banquinho e comecei a praticar meu esporte favorito: observar as pessoas. O tempo passou rápido e tive que decidir se ia pedalar (mesmo com a ameaça de chuva) ou se ia conferir se a Natalie Portman está mesmo magnífica ou não. Que dureza! Briga feia entre duas das minhas maiores paixões: cinema e bicicleta. Venceu a última. Fui pedalando por dentro do Parque, peguei a República do Líbano, depois uma paralela à Ibirapuera e lá fui eu. Chegando na Bike Town, de onde sai o passeio comandado pelos simpáticos Alemão e Cal, um casal bem legal, deu aquela fominha... Ainda faltavam uns 40 minutos para a saída do pedal, então fui fazer um lanche numa padoca mui charmosinha na rua Demóstenes chamada A Trigueira. Barriguinha cheia, bora pedalar. Assim que o pedal saiu, começou a chover. À princípio só uma garoinha, mas depois uma chuva grossa que deixou a pista escorregadia e fez com que o Alemão cancelasse o passeio antes do final. Ah, que pena... Voltei com a Aline que, muito solícita, me ofereceu uma carona para casa. Eu recusei, porque a chuva não estava tão forte assim e não queria dar trabalho a ela. Deixei-a na porta do prédio onde mora, em Moema e segui meu caminho para casa debaixo de uma chuva bem mais grossa do que antes. Mas, é como diz minha mãe: "nessas ocasiões o anjo-da-guarda faz hora extra..." então correu tudo bem e cheguei em casa molhada, mas inteira.
Mapa do trajeto de 23,4 km (sem o percurso do pedal). Em azul, a ida. Em rosa, a volta. Clique para ampliar e ver os detalhes.
Eu sou a única cliente da Clínica que vai de bicicleta. Surpresa? Não mesmo!
Chegando no Parque do Ibirapuera em plena segundona. Ê vida boa...
Arco-íris no céu e eu procurando o pote de ouro na terra.
Beleza. =]
Terça, 8 de fevereiro:
Acordei, trabalhei, almocei e saí de casa por volta das 13h30 para a minha sessão semanal de terapia às 14h00 na rua Itapicuru. Nesse dia minha cabeça estava muito quente. E não era só por causa do sol e do calor, não! Mas deixa pra lá... Depois da terapia estava tão desanimadinha que nem passei na padaria para aquele Diletto de chocolate D.O.C. Também tinha que passar na rua Ásia e trocar o patinete que comprei para o meu filho de aniversário (e ficou pequeno!). Como eles não tinham um modelo para grandões, troquei por um ventilador e uma torradeira. Ambos muito úteis nesse momento. Agora preciso achar um patinete para o meu garotão. Alguma dica?
Na volta para casa o céu estava prometendo um temporal daqueles, saca só na minha fotomontagem tipo panorâmica, hehehe... Ah, clica na imagem pra ver melhor, tá?

Quarta, 9 de fevereiro:
Acordei cedo para correr na esteira. Pela primeira vez consegui chegar à marca de incríveis 8 km, mas o sensor do Nike+ só captou 2.25 km. Humpf... Trabalhei. Almocei. Trabalhei mais um pouco. Lá pelas 16h30, peguei a bike para ir novamente à Clínica cozinhar minha celulite. No meio do caminho, uma daquelas coincidências que me fazem repetir sempre que "o mundo é uma kitchnete". Encontrei com o Maurício Yasbek, aquele que levei no pedal do Olavo domingo retrasado. Ele estava indo de bike para o Ibirapuera. Vida boa, essa nossa, hein Maurício?
Beijokas da Fernanda.
Ida e volta: 8,7 km de acordo com o Google Maps.
Ontem, além do calor, o trânsito e os motoristas estavam impossíveis...
LadyBike ao lado das motos na reta de largada. 3, 2, 1, vai!
Olha só o calorão que estava na rua. Ainda bem que o ventinho dava uma aliviada...
Eu sempre encontro esse ciclista pelas ruas e ontem finalmente consegui fotografá-lo!
Fala sério: tem combinação de cores mais bonita que verde e rosa?
Fiquei imaginando se o pai dessa família só tinha uma perna mesmo...
Ah... essa casa na Rua Groenlândia tem um mural maravilhoso!
Só vendo pessoalmente para sentir o impacto de tanta beleza. Na foto não ficou legal.
Na volta para casa, parei para fotografar esse "vá de bike"...
... e os dois motoqueiros acharam que eu era repórter!
Eu e minha LadyBike às 18h10.
Modelito verão: braços e pernas de fora. O mínimo de roupas possível.
Trânsito nervoso na capital paulista, minha gente. Levei muita cortada e buzinada ontem... Os motoristas estavam no esquema de "tolerância zero" com os ciclistas. ;-(
Topo da igreja da Cardeal Arcoverde. E esse céu, hein? Liiindo!
Privilégios de uma Lady: uma vaga de garagem só para ela.

3 comentários:

Tom Bike disse...

Gostei da fotomontagem, sugiro na próxima menos overlap e acho q vc deixou uma com transparencia... tem uns macetes para lidar com a paralaxe, procura poraí, rs

A segunda melhor é o autoretrato no espelho, ficou bem interessante... no sei exatamente pq...

R.K disse...

delicia! mesmo com o povo nervoso, é tudo de bom!

Lili Chiurco disse...

Que dias gostosos, Fernanda! Vc tem sorte mesmo de poder ir so parque em plena segunda! Tem que aproveitar!
Olha... esses adesivos de carro pegou td mundo! Está a maior moda!rsrs
Ótimo final de semana
Beijoss Lili